Agora pode consultar o FOT no seu smartphone ou tablet

sexta-feira, dezembro 05, 2014

Da Transparência

Rodrigo Gatinho/Portugal.gov.pt


O Índice de Percepção de Corrupção 2014, esta semana divulgado pela ONG Transparency International, confirma a mediana classificação de Portugal, apesar de uma ligeira melhoria (dois lugares) relativamente a 2013.
Portugal ocupa, agora, o 31º lugar, numa lista de 175 países avaliados, onde os primeiros 5 lugares são, respectivamente, ocupados pela Dinamarca, Nova Zelândia, Finlândia, Suécia e Noruega.
No fim da lista, estão, como habitualmente, o Afeganistão (172º), o Sudão (173º), a Somália e a Coreia do Norte (174º).
O índice permite ainda avaliar o nível de corrupção nos países de língua portuguesa, onde Cabo Verde (42º) é, de novo, o mais bem classificado, e Angola e a Guiné-Bissau (161º) os piores da lista.
É isto bom ou mau?
Num ano em que os casos de suspeita de corrupção activa e passiva na sociedade portuguesa foram alvo de noticias quase diárias (BES, Vistos Gold, Duarte Lima, Sócrates, etc.) só é de espantar que a classificação de Portugal tenha melhorado. Não podemos, no entanto, esquecer que o índice é elaborado a partir de dados reunidos no ano transacto, pelo que, em 2015, a classificação poderá bem ser outra.
Também aqui, as opiniões se dividem: os arautos do "politicamente correcto" viram nesta melhoria um sinal do "copo meio-cheio", enquanto os "arautos da desgraça", só vêem "copos meio-vazios".
Acontece que estes índices, com todas as suas limitações, são um misto de relatórios fornecidos pelas delegações nacionais da Transparency International, da análise dos processos judiciais por corrupção e da observação empírica da realidade, pelo que a soma destas três variáveis é determinante para avaliar do nível de transparência em cada país.
Sendo assim, convém relembrar algumas verdades incontornáveis, que permitem aferir da relativa justeza de tais índices. Em primeiro lugar, as razões porque os países mais bem classificados são, normalmente, países escandinavos e/ou anglo-saxónicos: são todos eles, sem excepção, países onde a tradição democrática está mais enraizada, a educação é maior e a orientação religiosa (protestantismo) desenvolveu uma ética de responsabilidade (accountability), meritocracia, rigor, austeridade e cidadania, que exigem maior transparência dos seus cidadãos.
No fundo da lista, os países onde nada disto funciona: são, todos eles, sem excepção, países onde não há democracia (ditaduras ou estados-párias), onde a ignorância é maior e a orientação religiosa (fundamentalista) fomenta o clientelismo, o nepotismo, o suborno e a corrupção. Logo, onde há menos transparência.
No meio da tabela, estão países (como Portugal) que nas últimas décadas têm vindo a sair desta espiral de regimes autoritários e onde a desigualdade, a pobreza e a ignorância, continuam a ser factores impeditivos da construção de sociedades mais justas e equitativas, como é desejável.
Não nos devemos, portanto, admirar que os países onde há maior transparência, são aqueles onde há mais igualdade, mais educação e maior participação, portanto mais democracia. É tão simples como isto e ignorá-lo será sempre fatal.  

quinta-feira, dezembro 04, 2014

Sentir

Todos certamente já tocámos em gente que se comporta como um holograma. Estão lá, mas não estão. Agora propõem-nos hologramas que podemos sentir como se fosse gente.
A única vantagem que antevejo nesta novidade é que, talvez reaprendendo a tocar e a sentir, os computadores nos ensinem a sermos seres humanos de novo... Uma espécie de crianças selvagens da era digital.


sábado, novembro 22, 2014

Os bancos maus e os capuchinhos vermelhos



Parece que ainda não é desta que acabaram as surpresas neste ano pós-Troika.
Mal refeitos das notícias que conduziram à detenção dos implicados no caso dos vistos "gold" - e consequente demissão do ministro Miguel Macedo - surge-nos agora a notícia da detenção, para inquérito, do ex-primeiro ministro José Sócrates, aparentemente suspeito de crimes de corrupção e branqueamento de capitais. Temos de concordar que, tais notícias, ainda para mais na mesma semana, não são coisas triviais num país de "brandos costumes" como Portugal.
Das duas, uma: ou existem fortes índicios que levaram à detenção de todos estes personagens e, nesse caso, nada a estranhar, pois a justiça estará a funcionar; ou, dada a razia que as detenções do grupo de onze suspeitos dos "vistos" causou na coligação governamental (leia-se PSD-CDS), poderá estar em curso uma acção contrária por parte do ministério da justiça, com o fim de desacreditar o maior partido da oposição (PS), agora que António Costa surge à frente nas intenções de voto...
Ambas as hipóteses são válidas e, como têm vindo a comentar os "tudólogos" de serviço nos diversos canais televisivos, é ainda muito cedo para extrair conclusões apressadas. Se, no caso dos "vistos gold", as acusações parecem fundamentadas; no caso da detenção de Sócrates, esta terá a ver com ligações do suspeito a uma empresa de Leiria, alvo de investigações prévias, para além de fluxos de avultadas somas de dinheiro através da sua conta bancária. Como diria o outro, "isto anda tudo ligado" e não será de estranhar que os próximos dias nos tragam notícias, porventura, ainda mais sensacionais.
Uma coisa parece certa: depois dos escândalos bancários  do BPN, do BPP e do BES, dos vistos "gold" e, agora, da prisão (pela primeira vez) de um ex-primeiro-ministro, aparentemente ligado a negócios menos transparentes, Portugal começa a tornar-se um lugar cada vez menos recomendável.
Nada que nos surpreenda. Contrariamente à generalidade das opiniões, que continuam a ver nos actores políticos e nos principais partidos governamentais os únicos responsáveis por este clima de suspeição generalizada, pensamos que há um mal maior, transversal a toda a sociedade portuguesa. E, da mesma forma que não há corruptores sem haver corrompidos, também não poderá haver apenas políticos corruptos sem que alguém se deixe, por eles, corromper ou vice-versa. Isso mesmo está implícito nas mais diversas investigações, levadas a cabo sobre esta matéria e reflectidas nos índices publicados anualmente pela Organização do Desenvolvimento Humano das Nações Unidas (PNUD). Uma simples consulta ao "ranking" a partir de 1990 (ano em que o IDH foi pela primeira vez publicado) permite-nos constatar o óbvio: Portugal caíu 10 lugares na lista de corrupção mundial, depois de ter ocupado a 23ª posição, a sua melhor classifcação de sempre. O nosso país ocupa, agora, a 33ª posição no índice "Transparência" (ver mais aqui), uma das piores entre os países europeus. Não vale a pena olhar para o lado. Algo está, realmente, podre no reino da Dinamarca e não chega chamar pelo lobo mau, para desculpar as maldades do capuchinho. Esta é uma situação potencialmente explosiva e mal vai uma sociedade onde a descrença é geral e o estado perdeu a credibilidade.  
      

quarta-feira, novembro 12, 2014

Esperteza Saloia



Lisboa está, definitivamente, na moda.
Não passa uma semana, sem que sejamos confrontados com artigos e reportagens elogiosas sobre a capital portuguesa em tudo o que é publicação estrangeira. Isto, para não falar nos prémios que anualmente são autorgados à excelência turística de Lisboa: pela localização, pela hospitalidade, pelos bairros históricos, pelo Fado, pelo eléctrico 28, pela gastronomia, por Pessoa e pelo pastel de nata. Ainda bem.
Depois dos anos cinzentos do antigo regime, onde tudo era proibido, incluindo pisar a relva dos jardins e beijar turistas no Rossio, os lisboetas libertaram-se e fizeram da sua cidade - certamente uma das mais bonitas do planeta - um lugar bastante mais aprazível para viver.
Pesem as dificuldades inerentes a uma cidade antiga de séculos, da estrutural falta de meios financeiros e da arquitectura "pato bravo", que por aí ainda pulula, a verdade é que a Lisboa de hoje é completamente diferente da Lisboa de há 40 anos. Para melhor.
Não é pois, de admirar, que, após um longo período de relativo "esquecimento" - quando Portugal não fazia parte das rotas turísticas, nem existiam voos e hotéis "low-cost" - o nosso país comece, agora, a ser "descoberto" por uma nova geração de viajantes os quais, para além da praia, também desejam conhecer outras culturas. Óptimo.
Acresce que, numa altura em que a crise social e económica se instalou definitivamente, depois de uma intervenção externa que nos vai custar décadas de recuperação, o país passou também a ser conhecido por outras razões, nomeadamente a de ser um país pobre, logo atractivo para especuladores e visitantes, por ser barato. É natural. 
É por isso que o actual governo criou o "golden card", um visto de residência para estrangeiros que invistam meio-milhão de euros no país (na compra de uma casa, por exemplo); e, agora, o famigerado "euro", com que o presidente da CML se propõe taxar todos os turistas que desembarquem na Portela e todos aqueles que em Lisboa queiram dormir...Para quem ficar mais de uma noite, há descontos a partir dos 7 euros (!?). A argumentação usada para tal despaupério, é que essas receitas extras vão permitir a recuperação de edifícios degradados da cidade, já que o governo faz o mesmo, no OE, através da apelidade "taxa verde", com o imposto sobre os combustíveis. Brilhante.
A imaginação desta gente, não tem, realmente limites...
Conheço dezenas de cidades capitais da Europa e não sei de nenhuma onde exista tal taxa. Dizem-me que em Itália (where else?) há cidades como Veneza, Florença e Roma, onde é cobrada uma taxa suplementar aos turistas estrangeiros (!?). É possível. Logo por azar, a Itália, um país que não prima propriamente pela transparência das suas práticas institucionais, como se depreende de uma rápida consulta ao índice sobre a corrupção publicado anualmente pelo PNUD.
Agora que Lisboa está, finalmente, na rota dos principais operadores turísiticos e cruzeiros internacionais, a Câmara Muncipal de Lisboa quer criar um imposto para os viajantes de avião e para quem queira pernoitar uma, ou mais noites, na cidade. E os portugueses, que vêm de fora? Ou os portugueses que têm de utilizar a Portela, mas depois viajam para Fornos de Algodres? E porque é que os estrangeiros devem pagar um preço diferente dos cidadãos nacionais? Só porque são estrangeiros?
Esta gente não se enxerga. O edil Costa deu mais um tiro no pé e ainda não percebeu que, desta forma, não atrai mais turistas para Lisboa, mas, simplesmente, dá uma má imagem da capital no estrangeiro. A polémica já começou e não é caso para menos. Uma desgraça, estes gestores da coisa pública. Imagine-se, quando chegarem ao governo...
  

sexta-feira, outubro 31, 2014

De que é que está tudo à espera?

Estou 100% de acordo com este texto do Sérgio Lavos. Ocorrem-me várias perguntas, contudo. Em primeiro lugar, o que raio aconteceu para este Passos Coelho ter ganho o poder que ganhou? Qual foi, de facto, a causa do aparecimento e do protagonismo que ganharam estes "Passos Coelhos" todos? O que segura a tribo dos "Passos Coelhos"? Quem foi, ou melhor, quem foram os dr. Jekills que criaram estes mr. Hydes? Como exterminá-los a todos? Quem está, de facto, de acordo em exterminá-los e quem é que afinal gosta e a quem é que dá jeito a indigência mental de Passos Coelho? Será assim tão difícil remeter este bandalho e os seus apaniguados para a sua verdadeira dimensão? De que é que está tudo verdadeiramente à espera?

segunda-feira, outubro 27, 2014

WOMEX 2014: os caminhos de Santiago


Realizou-se, no passado fim-de-semana, mais uma edição da WOMEX (World Music Expo), por muitos considerada a maior feira de "Músicas do Mundo" do planeta e, certamente, a maior a nível europeu. Lá fomos, a "tribo womexiana", como é habitual em Outubro, desta vez em peregrinação a Santiago de Compostela, lugar mítico por excelência, onde todos os homens e mulheres de boa vontade devem ir, pelo menos uma vez na vida, expiar os seus pecados. Este ano, para além da catedral, a cidade de Santiago tinha ainda para oferecer quatro dias de feira, música, conferências, debates e filmes do Mundo, o que para um melómano nunca é coisa pouca. 
A acreditar no press-release oficial, teriam estado nesta 20ª edição da Feira, mais de 2400 delegados, entre empresários, agentes, produtores, editores, programadores e artistas, distribuidos por cerca de de 300 "stands",  22 conferências e 60 "showcases", para além das inúmeras actividades paralelas organizadas pela Nordesia e pelas Municipalidade de Santiago e Xunta da Galiza, em diversos lugares da cidade. Uma festa, desta vez galega, onde a organização e a hospitalidade local estiveram de mãos dadas para pôr de pé este evento que, pela quinta vez, chega a Espanha.
Dado ser a música a razão maior destes encontros, é nos "showcases" nocturnos que, após um dia de exaustivos contactos e negócios, os delegados se sentam para ajuizar dos nomes seleccionados por um júri de sete membros (os "7 samurais") que este ano receberam 900 candidaturas, donde sairiam os 60 "acts" finais.
Porque se tornaria exaustivo falar das dezenas bandas e solistas escutadas, escolhemos aqueles que, em nossa opinião, foram os melhores "showcases" da Feira. Em lugar de destaque, o projecto que dá pelo nome de Maru Tarang, um quarteto composto pelos australianos Jeff Lang (slide guitar, voz),  Bobby Singh (tabla) e pelos hindus Asin Langa (sarangi, voz) e Bhungar Manganiyar (khartal), que incendiou literalmente o Auditório Abanca, onde actuaram na sexta-feira de madrugada. Música de fusão, alternando entre os "desert blues" e a música cigana do Rajasthan, interpretada por quatro virtuosos nos respectivos instrumentos. Uma revelação, unanimemente aclamada pelos presentes.
Depois e num registro completamente diferente, o grupo coreano Noreum Machi, onde os seus elementos conjugaram uma alucinante técnica de percussão de tambores, com danças e expressões mais teatrais, na velha  tradição asiática. Excelentes, a merecerem os aplausos finais.
Se tivéssemos de escolher a banda de maior impacto desta feira, seria sem dúvida a Dzambo Agusêvi Orchestra, uma Brass-Band da Macedónia, composta por uma dúzia de trompetes e tubas que arrasaram literalmente Santiago. Violência musical e sonora em estado puro, de fazer ressuscitar um morto dos filmes de Kusturica. 
Finalmente, destaque para o excelente grupo húngaro "Sondorgó", um quinteto na melhor tradição musical eslava, com reportório de influências sérvia e croata, duas das maiores comunidades estrangeiras na Hungria. Todos multi-instrumentistas exímios, com destaque para os tocadores de violino e viola, para além da tambura, trompete, clarinete e acordeão, numa simbiose de sons inesquecíveis. A aguçar o apetite para Budapeste, cidade da próxima WOMEX.
Num plano muito bom, deve ser ainda referido o guitarrista Custódio Castelo, a merecer elogios e entrevistas para a rádio e televisão galega; a incontornável Uxia, nome maior da canção da Galiza; Cesária Évora Project, o colectivo  liderado por Nancy Vieira e Jenifer Solidade, formado na cidade da Praia para celebrar as canções da "diva" de pés descalços; "Spiro", um quarteto inglês de folk minimalista; Baloji, grupo de Rap e Hip-Pop de origem congolesa e belga, liderado pelo expressivo vocalista Baloji; Kareyce Fosto, jovem actriz e cantora camaronesa, de forte presença em palco, onde uma simples guitarra fez a diferença. Folk e blues africanos ao melhor nível. 
Porque a representação portuguesa, dada a vizinhança regional, desta vez esteve em peso, não podemos deixar de referir a "showcase" de Lula Pena (dentro do seu registo habitual) e o de Mariza, homenageada este ano com o prémio Womex 2014. Nas conferências, a presença do cantor Vitorino, que faria uma pequena comunicação sobre a canção revolucionária portuguesa através dos últimos dois séculos e os cantores António Zambujo e Ricardo Ribeiro, o primeiro integrado num programa Off-Womex dedicado à música Ibérica e o segundo convidado para falar sobre Fado.
Resta falar dos delegados de Portugal, mais de 30 este ano que, com ou sem "stands", confirmaram uma presença, cada vez mais visível neste importante circuito musical europeu. Para o ano há mais. Esperamos poder lá estar.
Adeus Santiago. Olá Budapeste!

          

terça-feira, outubro 21, 2014

Outono quente, cinema brilhante



Não se podem queixar os cinéfilos portugueses neste reinício da temporada, agora que as salas da capital iniciaram a sua programação habitual. Assim, ao correr da pena, eis alguns dos filmes mais marcantes, actualmente em exibição em Lisboa:
Ciclo dedicado ao indiano Satyajit Ray, com a apresentação de seis títulos da sua vasta obra, todos em versão restaurada, no cinema Nimas.
"Festival do Cinema Francês", a decorrer em diversas salas onde, entre outros, passam as duas últimas obras de Alain Resnais (recentemente falecido) e o novo filme de Mathieu Amalric.
A continuação da saga alemã "Heimat" (partes 1 e 2) de Edgar Reitz, agora em versão cinematográfica, no cinema Monumental.
A 12ª edição do Festival Internacional de Cinema (DOC's) com sede na Culturgest e sessões, e. o, no S. Jorge e na Cinemateca, a decorrer até ao próximo domingo.
Permanecem ainda, em cartaz, os filmes portugueses, "Os Maias", de João Botelho e "Os gatos não têm vertigens" de António Pedro-Vasconcelos e, para o próximo mês, já se anuncia o Festival de Cinema Estoril-Lisboa, este ano com surpresas várias, entre as quais o semiótico e activista Chomsky e o jornalista, exilado na embaixada colombiana em Londres,  Assange (!?)...
Entre a vasta escolha, e porque o tempo não dá para tudo, algumas impressões, necessariamente breves sobre alguns dos filmes vistos: de Satyajit Ray, o mestre do cinema indiano, os clássicos "A Grande Cidade" (1963) e "Charulata" (1964), obras maiores deste ciclo, onde, de forma magistral, Ray analisa as contradições da sociedade indiana pós-colonial, em retratos críticos, mas sempre humanos, nos quais os dramas individuais são, muitas vezes, resolvidos pela tolerância e o amor entre os personagens. Magníficos quadros de uma sociedade de classes, onde as castas e a crítica mordaz ao ex-colonizador e seus costumes, são subtilmente introduzidos ao longo de histórias admiravelmente filmadas. Se o cinema é a "arte de contar histórias em imagens", Ray é o seu paradigma.
Depois, a grande festa que é o DOCs, hoje um dos melhores festivais de cinema documental europeu, com obras inéditas, que constituem o núcleo central da sua programação e ciclos temáticos, que incluem obras de renome em reposição. Destaque para a retrospectiva do documentarista holandês, Johan van der Keuken, do qual são exibidos 23 títulos, num dos maiores ciclos desta Mostra. Revimos "De weg naar het Zuiden" (O caminho para o Sul) de 1981, uma longa reflexão (143') sobre as relações sociais e económicas entre o Norte e o Sul: de Amsterdão, ao Cairo, passando por Paris, a região do Drome, os Alpes e Roma, num filme "on the road" que permanece actual, apesar dos anos, entretanto, decorridos. Na próxima quarta-feira, dia 22, haverá uma mesa-redonda na Culturgest (14.30h.) sobre o significado da obra de Van der Keuken (um dos grandes documentaristas do século, nas palavras do director da Cinemateca) que contará com a presença da viúva e colaboradora (sonoplasta) do realizador.
Ainda no âmbito do DOC´s, vimos um bom filme francês "Brûle La Mer" (2014) de Nathalie Nambot e Maki Berchache, sobre a odisseia deste último, um jovem tunisino que, após a "Revolução do Jasmin", decide ir ter com um primo a Paris onde, após variadas e traumáticas experiências, opta por regressar ao seio da família. Filme iniciático que, mais do que relatar a vivência dos emigrantes ilegais em França, mostra de modo introspectivo o processo de libertação e auto-conhecimento de um jovem emigrante árabe.
Finalmente, duas obras seminais do "free cinema" britânico, corrente inglesa surgida na década de cinquenta, respectivamente "Together" (1956) de Lorenza Mazzetti e "We are the Lambeth Boys" (1959) de Karel Reisz que, conjuntamente com Tony Richardson e Lindsay Anderson, foram os nomes mais importantes desta geração. Trata-se de dois pequenos documentários de 50', filmados a preto e branco, sobre a Londres dos anos cinquenta, fortemente influenciados pelo realismo italiano da década anterior.
Para quem tiver tempo e disposição (o filme dura 338 minutos!), não podemos deixar de recomendar o filme "Mula sa Kung ano ang noon" (From what is before) de 2014, do filipino Lav Diaz, já considerado um dos filmes do ano. Apesar de Diaz continuar a ser um desconhecido em Portugal, ele é, muito justamente, considerado um dos grandes directores da actualidade. Ver os filmes de Diaz (não raramente abaixo das 4 horas de projecção) é sempre uma experiência devastadora. A não perder!
E pronto, por aqui ficamos, que as próximas sessões começam dentro de momentos...

terça-feira, outubro 14, 2014

A vaga de fundo do edil Costa

Imagem Diário Digital
Há coisas que nunca mudam na sociedade portuguesa. Há quem lhe chame tradição e há quem lhe chame laxismo. Também há quem lhe chame incompetência.
Depois da "época dos fogos", que se inicia normalmente em Junho e dura até Setembro, entrámos na "época das cheias", que se inicia em Outubro e dura até ao fim do Inverno.
Nada que não saibamos, acostumados como estamos a estas constantes da vida. Sempre foi assim, desde que temos memória, portanto deve ser inevitável. Há que sofrer e esperar que a "maré vaze"...
Vem este arrazoado todo a propósito das últimas inundações em Lisboa que, mais uma vez, atingiram parte significativa da capital, como de resto já tinha acontecido há três semanas atrás. Relembramos: entre as 15h30 e as 16h (meia hora!) de ontem foram registadas inundações em Benfica, São Domingos de Benfica, Olivais, Misericórdia, Parque das Nações, Estrela, Alvalade, Santa Clara, Campolide, Ajuda, Sto. António, Xabregas, Aeroporto, Calçada de Carriche, Túneis da Avenida João XXI e do Campo Grande, Rua das Pretas, Rua da Prata, Praça do Comércio, Rua Dr. Augusto Castro, Estações do Metro do Rossio, de Sete-Rios e de Chelas. Esqueci-me de alguma coisa? Será isto normal?
Como também é da tradição, logo surgiram as inevitáveis justificações: a maré cheia do Tejo que impede a água das chuvas de correr para o rio e provoca inundações na "baixa", a falta de avisos da meteorologia e as inevitáveis sarjetas, "mães" de todos os males desta cidade ribeirinha.
Acontece que, desta vez, a maré do Tejo estava baixa e a meteorologia tinha avisado (alerta laranja).
Então o que falhou? De acordo com diversos vereadores da Câmara Municipal, o que se mantém são as "inundações, problemas de obstrução das sarjetas, sumidouros e colectores; falta de investimento na rede de esgotos; plano de drenagem pronto desde 2007 por implementar; impermeabilização excessiva dos solos; incorrecto planeamento urbano, etc...". Todo um programa, portanto. 
Já nem sequer vou invocar os sábios avisos do arquitecto Ribeiro Teles que, de há décadas a esta parte, vem alertando para o perigo de construção em leito de cheias, do alastramento do betão por toda a cidade ou da falta de árvores e jardins que permitam uma melhor drenagem das terras.      
Também não quero culpar António Costa, que chegou há sete anos à Câmara, quando este fenómeno das inundações fazia, há muito, parte da paisagem. Mas, alguma coisa deve estar mal e alguma coisa deve ser possível fazer. Desde logo, prevenção, que é a melhor forma de evitar o desastre anunciado. Vivi 30 anos em Amsterdão, uma cidade de canais, 3 metros abaixo do nível do mar do Norte e nunca lá vivi nenhuma cheia. Portanto, é possível. Como foi possível solucionar os problemas da estação de metro do Terreiro de Paço que, devido às infiltrações de águas do Tejo, esteve fechada dez anos. Finalmente, chamaram engenheiros hidráulicos holandeses e eles resolveram o problema.
Custa dinheiro? Pois custa, mas custa muito mais pagar aos sucessivos empreiteiros portugueses que arrecadam milhões de lucros, em "derrapagens orçamentais" destas obras públicas que todos temos de pagar.
Não sei se o actual presidente da Câmara de Lisboa chegará alguma vez a primeiro-ministro, mas, a avaliar pelas inundações que, continuamente, atingem Lisboa, é cada vez mais provável que seja ele o primeiro a ser atingido pela vaga de fundo que estava a criar...  

segunda-feira, setembro 29, 2014

A derrota dos néscios

Seguro conseguiu dar um tiro no pé e, ao mesmo tempo, o tiro... fez ricochete e saiu pela culatra. Não era tarefa fácil, mas, Tó Zé, por uma vez acertaste na mouche!
Outra forma de ver o que se passou seria afirmar que as eleições de ontem permitiram-nos assistir a este fenómeno, verdadeiramente prodigioso, totalmente improvável e seguramente invulgar: ao contrário do que seria normal, é o Seguro que é desta feita obrigado a pagar uma enorme franquia por um acidente em que, ainda por cima, ele é dado como culpado.
Dito ainda de outro modo: Seguro contava com um Portugal que, como ele, não pensa, terá feito fé nos que pensam que pensam por ele e enganou-se.
Ou, finalmente, para citar Augusto Santos Silva, naquele seu jeito Terminator III, "O povo não é tão néscio como os néscios o pintam..."

sexta-feira, setembro 26, 2014

Um murro com força!

Vivemos num mundo de aparências. O primeiro ministro Passos Coelho diz-se inocente e remediado. Poderá parecer a alguns que sim. A mim parece-me, sobretudo, incompetente para exercer o seu cargo.

Da sua intervenção hoje na AR podemos tirar duas conclusões principais.

1- O segredo fiscal foi violado. Passos Coelho, na sua qualidade de coitadinho não pode fazer nada. "A ideia de que existam declarações que eu não apresentei sequer aqui ao parlamento e a que senhores jornalistas tenham tido acesso, a acontecer, representa uma violação do Estado de direito", disse inlamado. Afirmou-se a este propósito surpreendido, assegurou-se indignado, aparentou desconforto, mas podem os Portugueses ficar descansados, ele não irá tomar medidas para punir os violadores. Não pode. Não quer. Não sabe, aprentemente, como fazê-lo.
Restou-lhe e bastou-lhe queixar-se na AR. Quando se esperariam medidas, somos surpreendidos com queixas. Onde fica o guichet das reclamações dos primeiros ministros? Que secção da Loja do Cidadão as acolherá? Deverá o primeiro ministro pedir o Livro de Reclamações? Queixar-se ao Provedor de Justiça?

2- A Tecnoforma, empresa onde comprovadamente trabalhou, foi a principal financiadora de um tal Centro Português para a Cooperação. Este Centro de propósitos enigmáticos, que funcionava nas instalações da própria Tecnoforma. No meio do enigma, ficamos a saber que Passos Coelho foi mesmo, segundo aqui se afirma, o principal executante e "leader" desta ideia de um dos administradores da empresa.

Depois de ter começado a exercer o seu cargo de deputado, em regime de exclusividade, colaborou confessadamente com o referido Centro. Não terá recebido remuneração alguma como resultado dessa sua colaboração. Apenas terá sido ressarcido das despesas que, enquanto conselheiro em regime pro bono, efectuou ao serviço desse Centro. Não sabemos que despesas, qual o montante nem há documentação oficial que comprove o que quer que seja de toda esta embrulhada. Na aparência, parece que estamos perante um Centro, no mínimo, fiscalmente periférico.

Nem ficou, sobretudo, claro por que razão, a que título (para quê?!) um deputado da Nação deixa a Tecnoforma e passa a colaborar tão afanosamente com um Centro Português para a Cooperação, surgido da iniciativa exclusiva da empresa onde trabalhou até ser eleito e impulsionado por ele próprio. É um novo conceito fiscal: trabalho exo-exclusivo em regime de ressarcimento.

Tal como ao primeiro ministro Passos Coelho, parece então restar-nos ficar surpreendidos, assegurar que estamos indignados e ficarmos todos descansados porque nada irá ser feito para distorcer factos tão torcidos.

Ou então, se não queremos continuar a deixar que façam de nós parvos, parece que teremos todos de dar um valente murro colectivo na mesa.

quarta-feira, setembro 17, 2014

Tiraram-me as palavras da boca!

Alexandre Soares dos Santos diz que um salário de 500 ou 520 euros não presta, não motiva. "Não serve para nada," sentencia o empresário enfaticamente. Marinho e Pinto acha, por seu turno, que um salário de 4800 euros por mês para um titular de um cargo público "não permite padrões de vida muito elevados."
Bem me queria parecer...

sexta-feira, setembro 12, 2014

Here we go again...



Não constituiu propriamente uma surpresa a declaração de Barak Obama feita (simbolicamente) na véspera do aniversário do 11 de Setembro, sobre as intenções dos EUA em liderar uma coligação internacional para atacar as forças Jihadistas do Estado Islâmico. Depois dos avanços verificados no terreno pelos fundamentalistas, do anúncio da criação do Califado do Levante e das chacinas levadas a cabo pelos mercenários que integram estas tropas sanguinárias, era esperada uma reacção forte dos países ocidentais. As recentes decapitações dos jornalistas, acompanhadas de ameaças directas a Obama, seriam a "gota de água" que fez transbordar o copo da política de contenção, anunciada pelo presidente americano aquando da sua primeira eleição em 2008. Nessa campanha eleitoral, Obama prometeu retirar as tropas americanas do Iraque e do Afeganistão até finais de 2014, um processo que está em vias de ser concluído. Depois de anos da política expansionista, seguida pelos "neocons" de Bush, que acreditavam na exportação do modelo democrático ocidental através da chamada "nation building" (ensaiada de forma desastrosa no Iraque), o povo americano cansou-se da guerra. Não só esta consumia meios humanos e materiais incomportáveis para o país, como a prática demonstrou que os EUA não tinham capacidade para manter uma guerra prolongada de guerrilha em duas frentes, o que viria a revelar-se fatal para a "estratégia de dominó" preconizada por Cheney e Rumsfeld. A perda de popularidade deste modelo (baseado em mentiras, como as "armas de destruição maciça") constituiu um forte golpe no orgulho americano e revelar-se-ia fatal para os republicanos. As teses dos "falcões" do regime perderam peso na política externa e a eleição de um democrata, menos agressivo, foi tudo menos surpreendente.
Acontece que, no "aftermath" da guerra, os EUA deixaram um país (Iraque) ingovernável, entre outras coisas porque destruiram os pilares do estado (polícia, exército e o aparelho administrativo do partido Baas) mantidos pelo regime ditatorial de Sadam. A uma ditadura, seguiu-se o caos e neste proliferou o banditismo, como se tem visto naquela região desde a queda do regime em 2003. O país ficou praticamente dividido em três regiões distintas, controladas por Shiitas, Sunitas e Curdos, que se digladiam entre si.  Junte-se a este "cocktail" explosivo, o aparecimento do Al Qaeda (que transformou o Iraque num campo de treinos) e, mais recentemente, a guerra civil na vizinha Síria, que libertou os "demónios" jihadistas agrupados no que alguma imprensa chama, eufemisticamente, de "rebeldes" e temos reunidas as condições necessárias para uma "tempestade perfeita". Não por acaso, o auto-proclamado estado islâmico foi ali anunciado. O que se seguirá, ainda não sabemos. Mas, não será bom, com certeza. Para já, foi anunciada uma coligação de 10 países para combater o monstro. Obama já declarou que os EUA não vão voltar a uma guerra clássica (leia-se, com tropas no terreno), mas limitar-se-ão a bombardeamentos aéreos. E quem é que fará o trabalho "sujo", no campo, onde todas as batalhas se decidem? Essa é a questão. Sabemos sempre como as guerras começam, mas nunca sabemos como (e quando) acabam.  Lá vamos nós outra vez...

        

quarta-feira, setembro 10, 2014

No maior parolo cai a nódoa

Há uma série de televisão, relativamente popular, chamada "A Teoria do Big Bang". Alguns dos que me lêem já a viram certamente. Um dos personagens, o Sheldon, amesquinha sistematicamente um outro personagem, o Howard. Num episódio em particular, Howard, um engenheiro com um mestrado do MIT, desafia Sheldon, um doutorado em física teórica, detentor de um QI de 187, a elogiá-lo uma vez na vida, pedindo-lhe que lhe diga que é bom naquilo que faz. Sheldon, admirado e aliviado, diz que não é problema. "Eu nunca disse que tu não és bom naquilo que fazes, o que fazes é que não é útil".
Vem isto a propósito de um programa da TVI24 — um programa de "referência", dizem de si próprios — a que ontem, por infeliz acaso, acabei por assistir. O tema interessava-me e fui ficando, apesar da presença dessa pestilência televisiva que dá pelo nome de Medina Carreira, cuja imagem, vá-se lá saber porquê, me causa agora brotoeja. António Coutinho, o investigador, fez neste caso de compère.
Entre o chorrilho de banalidades e de conceitos mal amanhados que, certamente por um qualquer fenómeno emético, foram sendo sucessivamente expelidos pelos intervenientes, houve um momento precioso, que ilustra bem o nível a que chegaram as ditas elites portuguesas, com o pivot a tentar colaborar, de forma patética, com os charlatães.
Deixo aqui a transcrição do tal momento. Procurei que fosse o mais fiel possível, mas quem tiver pachorra pode confirmar tudo aqui.
Falava-se, a dado momento, da evolução dos doutoramentos em Portugal nos últimos 12 anos. Via-se o gráfico que ilustra este post. Era o último de uma série deles com que estes gajos julgam ganhar credibilidade, crescia a expectativa, esperava-se a revelação final e depois, quem sabe, talvez o apocalipse.
AC - 37% de todos os doutorados nos últimos 12 anos são em ciências sociais e humanidades [afirma convicto]. Evidentemente que podem contribuir para o tecido produtivo, mas pouco...
MC - Mas isto o que é? É investigar em sociologia?
AC - Eu não sei o que é xôtôr...
MC - Ah, não sabe...
AC - É sociologia. Alguns são economistas, provavelmente...
MC - 37%… [comenta, aparte e de modo indignado, Carreira…]
AC - ... As ciências da educação, as ciências sociais, essas coisas...
Esperemos que não sejam o rigor e a isenção aqui demonstrados, os atributos que Coutinho coloca na sua actividade de investigação ou na condução das instituições por onde tem passado. Sheldon teria certamente morrido de inveja ao dar conta deste rigor e isenção do iminente investigador do Karolinska, do Pasteur ou do IGC. Se o Sheldon tivesse ouvido Coutinho, não hesitaria, estou certo, em escrever ao Passos Coelho propondo-lhe a sua nomeação para ministro da blue skies science. Assim, em English e tudo...
Uma coisa é certa: o Sheldon tem infinitamente mais graça que o Coutinho.

A "Rentrée"

in http://oficialdejustica.blogs.sapo.pt/


Contrariamente ao estabelecido pelo calendário, Janeiro nunca foi, para mim, o primeiro mês do ano.
Desde muito novo que me habituei a olhar para Setembro como o mês da renovação, ou do reinício, provavelmente um resquício das minhas memórias escolares. O fim do Verão e o aparecimento das primeiras chuvas, sempre foram bem mais importantes que a mudança de ano, algures no pico do Inverno, quando as condições climatéricas permanecem inalteráveis... 
Agora que o Verão parece ter terminado, e os discursos da "rentrée" já tiveram lugar, resta-nos aguardar as novidades de uma temporada, que se antevê longa e cheia de surpresas. 
Folheio os jornais da manhã, na procura de notícias estimulantes e sou levado a concluir que a mudança de estação não condiz necessariamente com a mudança de práticas e atitudes que nos levem a acreditar que algo vai mudar para melhor.
Veja-se o caso de encerramento e concentração de tribunais, executada nas últimas semanas em todo o país, onde a solução administrativa encontrada foi criticada por todos os interessados (magistrados, funcionários e utentes) que viram o já de si difícil acesso à justiça ainda mais dificultado por uma lei que destruturou por completo um sistema que parece agora não servir a ninguém. O caos está instalado, as salas de tribunal instaladas em contentores, os sistemas operativos não funcionam há duas semanas e a própria bastonária da ordem de advogados, perante tal descalabro, exige a exoneração da ministra.
Ou o caso da colocação dos professores eventuais que, pela enésima vez, se vêem relegados para uma miserável existência, eufemisticamente denominada de "horário zero", o que para milhares deles mais não significa do que o desemprego mascarado. Que o número, este ano, ronde "apenas" mil professores nestas condições, mais não significa que o abandono em massa da profissão que muitos deles abraçaram e os tem levado a emigrar para outras paragens.
O mesmo pode ser dito relativamente à crítica situação do sector da saúde, onde os encerramentos e concentrações anunciadas não servem as populações mais desfavorecidas, obrigadas a optar por hospitais particulares, onde a prestação de serviços se tornou impagável para a maioria dos utentes. Não por acaso, os acidentes mortais como consequência da falta de pessoal (veja-se os casos de Faro ou Évora) têm vindo a aumentar, uma prova inequívoca de que as soluções economicistas, encontradas pelo actual ministério, apenas tendem a desmantelar o SNS e a favorecer os sistemas privados, conforme as indicações da Troika sempre exigiram. 
Finalmente, as privatizações anunciadas - Saúde, PT, TAP, Comboios da linha de Cascais, etc. - que confirmam o que já se sabia: a necessidade urgente de privatizar o que dá lucro, seja para desmantelar o aparelho de estado (e dessa forma alijar as suas obrigações), seja para conseguir capitais necessários ao pagamento dos juros da dívida publica, que já atinge os 130% do PIB nacional.
A acrescentar a esta visão pessimista, necessariamente embaciada pelas condições atmosféricas, resta-nos falar do paupérrimo debate de ideias, oferecido por dois potenciais candidatos ao cargo de 1º ministro e de que, ontem, vimos apenas o primeiro "round". Alguém comprava um carro em segunda-mão a Costa ou a Seguro? Eu não, certamente.
Sim, a "rentrée" está aí, mas a chuva, que cai interruptamente há três dias, não é ainda suficiente para limpar uma situação que parece tornar-se estruturante e para a qual não parece haver solução à vista...           

sexta-feira, setembro 05, 2014

David Copperfield passou por aqui


Um truque do conhecido ilusionista fez desaparecer o País!
Perdeu-se a oportunidade de introduzir reformas estruturais sérias na estrutura produtiva do País e no aparelho de Estado?
Pois, de facto, perdeu-se, mas, atenção!, agora surge uma coisa chamada "Fórum Económico Mundial" — que o ministro da Economia jura a pés juntos ser referência incontornável para os investidores — que diz que não, e faz Portugal saltar, num só passe assombroso, 15 - lugares -15 na lista dos países mais competitivos do mundo. Afinal houve aumento da competitividade por causa das "reformas estruturais". Deste governo? A da Justiça não foi certamente e o Álvaro já não mora aqui.
O endividamento era o problema número um do País?
Pois era, mas Portugal decide sacar uns pózinhos, puf-puf, zás-pás!, e emitir ainda mais dívida, desta vez em condições mais vantajosas do que nunca, ou seja, excelentes para os prestamistas. A redução da dívida segue dentro de momentos.
As exportações eram o motor da "retoma"? Pois, as exportações caem porque os exportadores parecem estar a perder quota de mercado. A procura interna aparece agora como o próximo coelho que o Coelho tira da cartola.
O IEFP "dá" emprego? Pois "dá", mas parece que, em certos casos, graças ao gesto mais rápido que o olhar, os trabalhadores são colocados em empresas das quais foram despedidos. É certo que com a economia neste estado, os empresários, carregados de impostos, não têm muitas vezes condições de manter os trabalhadores. A solução encontrada é então despedirem esse trabalhadores e voltarem a admiti-los através do IEFP, pagos por todos nós. O "emprego" dura enquanto durar o subsídio. Depois voltam a sair. O "Estado mínimo" em versão ultra-liberal.
Há crise?
Pois há, mas, varinha mágica, swiig-ziiing-zoiing!, os ordenados dos gestores de topo subiram enquanto os trabalhos menos qualificados (não necessariamente os trabalhadores menos qualificados, note-se) descem. Isso mesmo era relatado ontem na imprensa. A "procura interna", pelos vistos, vai continuar a ser privilégio dos gestores de topo. A retribuição do trabalho vai continuar a descer.
E não é só o país que desaparece. A Europa, não tarda, também vai. Com a ajuda de um mágico local. Portugal subiu ao pódio europeu do desemprego estrutural?
Pois subiu, e agora parece que — certamente em guisa de remuneração compensatória — o dr. Moedas, um dos fautores desse desemprego vai tomar conta da pasta do emprego da Comissão Europeia, alargando, abrakadabra pronto, presto!, o efeito da sua magia ao resto do velho continente.
Portugal, 2014, é este o país que vê? Ou isto não passa de um imenso festival de magia? Um festival de truques produzidos por um grupo de ilusionistas capitaneado por Pedro Manuel Mamede Passos Coelho, com a assistência de Paulo de Sacadura Cabral Portas, a varinha de Aníbal António Cavaco Silva e o apoio técnico de António José Martins Seguro.

terça-feira, setembro 02, 2014

Take Another Plane

A acreditar nos responsáveis da TAP, as notícias sobre avarias mecânicas que nos últimos tempos têm surgido na comunicação social, são francamente exageradas. Talvez. A verdade é que, nos últimos dois meses, foram noticiados dez incidentes com aviões da companhia que, até há bem pouco tempo, era tida como uma das mais seguras do Mundo. De resto, as estatísticas não mentem: a transportadora nacional teve apenas em acidente de grandes dimensões em toda a sua história e, por alguma razão, muitas companhias de aviação continuam a fazer a manutenção dos seus aviões em Lisboa.
Acontece que, de há anos a esta parte, a TAP - a exemplo de outras companhias de bandeira - se viu confrontada com as crises de crescimento inerentes à própria industria: se por um lado aumentou o número de rotas e dessa forma ganhou novas clientelas, por outro foi obrigada a modernizar a frota e dessa forma aumentar o passivo que, numa área de transportes cada vez mais competitiva, acabaria por levar à integração da companhia numa "aliança" internacional, como forma de evitar a privatização da mesma e de resistir ao aparecimento das companhias "low-cost", cada vez mais utilizadas por diferentes segmentos da população. Se a esta situação,  acrescentarmos a crescente insatisfação do pessoal de bordo (pilotos e hospedeiras) que nos últimos anos têm trocado a companhia portuguesa por outras companhias internacionais, bem mais interessantes em termos económicos, está explicada parte da actual crise. As exigências da troika relativamente às privatizações acelerou este processo e a venda da companhia a um magnate colombiano esteve por um triz. De resto, o processo foi apenas adiado e nada garante que no próximo ano o mesmo colombiano não volte à carga, como o próprio referiu em recente entrevista.
Também é muito possível que todas estas avarias sejam normais, e sempre tenham existido, como nos fazem crer os relações públicas da companhia. Mas, então, porque é que nunca ouvíamos falar delas e agora surgem todas as semanas nos mais variados voos? Terá a ver com uma frota reduzida e sobreutilizada, devido à falta de aviões; ou com uma "estratégia" de desvalorização da companhia com vista à sua venda pelo melhor preço? Esta é a questão levantada por muito boa gente.
Seja o que fôr, aqui fica uma sugestão aos utilizadores frequentes (como eu), que prezam a sua vida: caso se mantenham os acidentes, reportados nos últimos meses, não se acanhem, pois podem sempre levar à prática a sugestão implícita no acrónimo da companhia: tomem outro avião...

quarta-feira, agosto 20, 2014

Duas semanas noutra cidade (3)



Uma das zonas mais inovadoras e interessantes de Amsterdão é, actualmente, o Noord, situada numa das margens do Ij, o lago que divide a cidade em duas partes distintas. Porque a maioria dos visitantes tende a permanecer no centro, onde estão concentradas as maiores atracções da cidade, poucos são aqueles que conhecem uma área que sofreu modificações profundas nos últimos 20 anos. Antiga zona industrial da cidade, onde estavam os grandes silos de armazenamento de produtos transportados por via marítima e os estaleiros de construção e reparação naval, o Noord foi perdendo a sua importância, à medida que a construção naval passou a ser feita em países asiáticos de mão-de-obra mais barata. Da mesma forma, os antigos armazéns, originalmente destinados a cereais e especiarias trazidas de outros continentes, acabaram por ser esvaziados das funções para que tinham sido construídos, muitos deles tendo ficado ao abandono. Após um período conturbado, nas décadas de setenta e oitenta, em que muitos destes edifícios foram recuperados por "krakers" (ocupantes de casas), que ali viviam e tinham os seus "ateliers", a zona acabaria por ser requalificada e entregue a empreendores privados que transformaram muitos destes antigos armazéns em "lofts" e apartamentos de luxo, onde hoje vive parte da classe média alta da cidade.  Nem todas as soluções arquitectónicas são admiráveis, mas é nesta zona que podem ser vistos alguns dos edifícios mais marcantes desta inovação. Visitámos a zona de Ijburg, servida por uma linha de eléctricos que parte da Centraal Station da cidade. Ainda em fase de acabamentos, já dispõe de uma marine e de uma praia artificial (blijbeach) onde a população da zona pode nadar em águas calmas e conviver nos inúmeros bares e lojas existentes.
Para os turistas, a parte mais interessante da zona Norte está, no entanto, situada nos terrenos da NDSM (Nederlandsche Dok en Scheepsbouw Maatschappij), os antigos estaleiros da cidade onde, entre 1894 e 1979, foram construidos e reparados centenas de navios e tanques de grande porte. Após anos de decadência e subaproveitamento dos antigos edifícios, também aqui surgiriam iniciativas ligadas às artes performativas (Over Het Ij Festival) e diversos "ateliers" e incubadoras de empresas (Creative Hotspot Amsterdam) que transformaram por completo a imagem de "arqueologia industrial" dos antigos estaleiros. Visitámo-la por duas vezes, a primeira para almoçar no Plekk, um restaurante/discoteca construido a partir de antigos contentores empilhados, que dispõe de uma óptima esplanada e uma praia artificial com vista para a cidade; e a segunda, para jantar no Ij-Kantine, um gigantesco restaurante que funciona num dos antigos estaleiros de construção naval. Mais uma vez, uma vista magnífica do "skyline" de Amsterdão, a partir da doca, onde estão fundeados diversos barcos históricos, desde o velho submarino S-117 holandês, ao mítico barco "Verónica", que foi rádio pirata no Mar do Norte, nas décadas de sessenta e setenta. No Ij-Kantine, é ainda possível ouvir música de jazz cigano, numa programação que faz inveja a muitas salas de espectáculos. Os interessados em visitar esta zona da cidade devem apanhar o "ferry" (pont) que parte todas as meias-horas das traseiras da Centraal Station. É a maneira mais rápida, confortável e é gratuita. Não há desculpas e vale a visita.       

terça-feira, agosto 19, 2014

Duas semanas noutra cidade (2)


Um dos lugares mais refrescantes e tranquilos de Amsterdão é o Jardim Botânico. Para quem deseja fugir à verdadeira "Disneyland" em que se tornou o centro histórico da cidade, invadido por milhares de turistas durante todo o Verão, este é um lugar a visitar. O Hortus Botanicus Amsterdam é um dos mais antigos jardins botânicos do Mundo. No jardim e nas estufas encontram-se nada menos do que 4.000 espécies de plantas originárias de todos os continentes. Originalmente criado em 1638, após a epidemia de peste que assolou a cidade, com o nome de Hortus Medicus, albergava à época um jardim de ervas medicinais. Médicos e farmaceuticos aprimoravam ali os seus conhecimentos sobre as ervas medicinais. As ervas eram, então, a principal fonte de medicamentos. Nos séculos XVII e XVIII os navios da Companhia Holandesa das Índias Orientais (VOC) trouxeram plantas ornamentais e especiarias exóticas ao Hortus. Ainda que relativamente pequeno (1,2 ha), a sua riqueza em plantas é enorme. O jardim e as estufas representam sete climas diferentes. A colecção contém somente espécies de plantas naturais e é cientificamente gerada, mediante o intercâmbio de sementes com outros jardins botânicos. 
No lago exterior, aquecido, floresce no Verão a rainha dos nenúfares, a "Victoria Amazonica", que é desde 1859 o ponto culminante da colecção de plantas do Hortus. Porque o acontecimento é publicitado no "site" oficial do Jardim, quis o acaso que, no dia da nossa chegada à cidade, estivesse previsto um dos florescimentos deste ano. Lá fomos, eram 22.30, hora prevista para o desabrochar da Victoria. Nessa noite os portões estavam abertos à população e eram centenas os curiosos que, como nós, se deslocaram ao Hortus. A flor do nenúfar surge ao cair da noite e dura normalmente cerca de 24h, após o que desaparece. Este ano, já tinham florido 10 exemplares, rigorosamente registrados num quadro ao lado do lago e onde uma especialista do Jardim nos guiou através das suas detalhadas explicações. Um verdadeiro acontecimento.  
Outra das atracções, num país de apreciadores de cerveja, é a prova das ditas nos locais próprios, as famosas "bierbrouwerijen" (fábricas de cerveja) das quais existem diversas fábricas artesanais. Esqueçam a "Heineken", a "Amstel" e a "Bavaria", marcas com as quais os portugueses estão familiarizados, e que são aqui meras cervejas de supermercado. 
Se querem provar o que é bom, dirijam-se à Brouwerij't Ij, situada na zona Leste da cidade, não muito longe do Museu Marítimo. É identificável através de um alto moinho de vento, dos poucos que ainda existem em Amsterdão.
Uma vez lá chegados, a dificuldade reside na escolha. Para os iniciados,  recomendamos a Plzeñ (5º) feita a partir de malte de trigo, com aroma de lúpulo e ervas aromáticas. O seu nome deriva da cidade de Plzeñ na Checoslováquia, onde teria surgido a cerveja a copo (pils) original. A minha preferida é a Ijwit (6,5º), uma cerveja branca de malte de trigo. De resto, a palavra "wit" é o antigo termo usado para trigo. Para os apreciadores, a Zatte (8º) é uma prova imperdível. Foi a primeira cerveja saída da fábrica (criada em 1985) e tornou-se um clássico. É uma "tripel", de acordo com a classificação belga dada às cervejas "blonde" mais fortes. Para os mais ousados,  a I.P.A. (7º), uma cerveja "blonde" escura de sabor a lúpulo, ou uma Struis (9º), cerveja de cevada ao estilo inglês, são alternativas a provar. Não esquecer, para acompanhar, o "Old Amsterdam", um queijo bem curado, ligeiramente salgado, ou uma enguia fumada, pois uma boa cerveja biológica exige aperitivos à altura. Um verdadeiro templo de cerveja, a Brouwerij't Ij, que pode ser visitada, individualmente ou em grupo, desde que feitas as marcações com antecedência.        

segunda-feira, agosto 18, 2014

Duas semanas noutra cidade


É uma das cidades mais populares da Europa (2.5 milhões de turistas por ano) e continua a crescer. Falamos de Amsterdão, que acabamos de (re)visitar, na enésima visita feita a esta cidade, que não pára de nos surpreender,  apesar (et pour cause) de décadas ali vividas.
Ainda que Agosto não seja o mês mais indicado para o fazer - a cidade esvazia-se de habitantes e enche-se de hordas de turistas que ocupam literalmente o centro histórico - o Verão é, por definição, a melhor estação do ano para visitar esta urbe do Norte da Europa, onde a imprevisibilidade climatérica é um factor de risco a ponderar. Como bem sabem os naturais, o clima pode mudar três vezes ao dia e andar de calções e sandálias não dispensa o chapéu de chuva, pois as trovoadas e aguaceiros são, nesta altura do ano, frequentes.
Sem programa pré-estabelecido, a opção, desta vez, foram lugares ou programas menos populares, que turistas clássicos (mais interessados em Rembrandt, Van Gogh ou Anne Frank) não costumam visitar. Em boa hora o fizemos, pois o que vimos compensou largamente as expectativas, tanto do ponto de vista qualitativo como do ponto de vista da tranquilidade dos museus escolhidos. 
Desde logo, a celebrada Huis Marseille/Museum voor Fotografie, que ocupa duas antigas casas senhoriais do Keizersgracht, um dos principais canais do centro de Amsterdão. Diversas exposições seminais de fotógrafos tão diferentes como Taco Anema (Portraits de Conselhos Directivos de Organismos Municipais), Guido Guidi (fotografias hiper-realistas de uma Itália desconhecida) e Martin Roemers, Frans Beerens e Marrigje de Maar (sobre a China actual), que confirmam a qualidade e os critérios de bom gosto deste verdadeiro templo de fotografia contemporânea.
Outra visita gratificante foi a do Cobra Museum of Modern Art, situado em Amstelveen, zona nobre a sul da cidade, que alberga permanentemente a antiga colecção do Stedelijke Museum (Appel, Constant, Jorn, Corneille, Alechinsky) e onde se encontra, temporariamente, uma selecção da Guggenheim Collection, constituida por 51 trabalhos de 44 artistas do famoso museu nova-iorquino, com trabalhos de artistas como Pollock, Rothko, Willem de Kooning, Louise Bourgelos, José Geurrero e Vieira da Silva. Obras marcantes da arte contemporânea, no período compreendido entre 1949 e 1960.
Inesquecível, seria também a visita à cinemateca da cidade, o futurista edifício "Eye" onde, para além das habituais sessões (4 salas em permanência), visitámos o programa dedicado a David Cronenberg, que inclui a projecção de todos os seus filmes, uma exposição, com painéis explicativos e interactivos, adereços (cápsula do filme "A Mosca", os monstros de "Naked Lunch" e "eXistenZ", ou os trajes de "M.Butterfly" e "Eastern Promises"), completada com diversas entrevistas ao realizador, que passam em modo contínuo numa sala decorada como bar, onde não falta o famoso monstro de "Naked Lunch". Imperdível.
Finalmente, e ainda no campo das exposições, "De Krim - Goud en Geheimen van de Zwarte Zee" (A Crimeia - Ouro e Segredos do Mar Negro), que pode ser vista no Museu Arqueológico da Universidade de Amsterdão, o Allard Pierson Museum. Uma pequena, mas informativa exposição sobre esta península ucraniana, recentemente declarada território russo, onde nas últimas décadas foram feitas escavações arqueológicas e descobertos verdadeiros tesouros em cemitérios de povos tão diversos como os Chyntios, os Godos e os Hunos que ocuparam a região. Porque a Crimeia foi um ponto de passagem entre a Europa e a Ásia, devido à famosa "Rota da Seda", também ali foram recuperadas as primeiras caixas lacadas chinesas conhecidas no Ocidente. Uma revelação, agora que a região é notícia pelas piores razões, e uma curiosidade: a exposição, que deveria ter terminado em Julho, foi prolongada, pois a administração do museu holandês não sabe a quem há-de entregar o acervo exposto, uma vez que este é originário de 5 museus diferentes, uns de Kiev e outros da Crimeia...     

sexta-feira, agosto 08, 2014

BES! BES! BES!


The beat goes on, the beat goes on
Drums keep pounding
A rhythm to the brain
La de da de de, la de da de da






domingo, agosto 03, 2014

A Leste nada de novo

Folheio os jornais do fim-de-semana, antes de partir para umas curtas férias fora de Portugal.
Ao contrário de anos anteriores, não há notícias de fogos "postos" (ou outros) essa calamidade que anualmente assola o território de Norte a Sul. Porque será? Imagino ter alguma coisa a ver com um Verão que tarda em surgir. Outra explicação possível, pode ser a prevenção feita no terreno. Seja como for, as estatísticas não mentem: no primeiro semestre deste ano, houve menos de metade dos fogos verificados em igual período de 2013. Nada mau.
Outra notícia, esta de sinal contrário, confirma prejuízos do BES na ordem dos 3,6 mil milhões de euros. Os valores são de tal ordem que, em comparação, o "buraco" do BPN já é considerado "razoável"... Depois destes números terem sido tornados públicos, o valor das acções caíram 40%, após o que a negociação em Bolsa teve de ser interrompida. O contágio ao resto da Bolsa foi inevitável. Estamos, assim, perante um caso de gestão danosa (há quem lhe chame "engenharia financeira"), para a qual o governo procura uma solução que pode passar por uma intervenção estatal (através do BdP)  e a divisão do BES num Banco "bom" e num banco "mau" (onde ficariam os prejuízos) como forma de evitar uma nacionalização que teria de ser paga pelos contribuintes. Provavelmente, o BdP irá usar parte dos 12.000 milhões de euros da Troika destinados a recapitalizar a banca, o que significa o pagamento desta dívida - ainda que de forma indirecta - pelos mesmos contribuintes que estão a pagar o empréstimo do "bailout". Um verdadeiro crime, para o qual muita gente vinha alertando e que o  presidente da república, o governo, o presidente do Banco de Portugal e o líder da oposição, sempre menorizaram, considerando o prestígio do BES como a garantia "moral" de boas contas. E agora, quem paga o "calote"?
Outra coisa que nunca muda é a posição da Russia em relação ao Ocidente e vice-versa, num "remake" da "guerra fria" que muitos julgavam definitivamente enterrada. A luta fraticida entre ucranianos pró-ocidentais, agrupados em redor do governo de Kiev, e separatistas pró-russos que controlam parte da zona Leste do país, não mata apenas ucranianos, mas estrangeiros de muitas nacionalidades, como aqueles que tiveram o infortúnio de embarcar no avião da Air Malaysia há duas semanas atrás. Pesem as "démarches" feitas pelos governos dos países mais atingidos pela tragédia (Holanda, Australia e Malásia), nada faz crer que o esclarecimento deste macabro acidente esteja para breve, num processo ainda difícil de explicar.
Também a Leste, continua o eterno conflito Israel-Palestina, agora centrado em Gaza, onde o exército de Israel leva a cabo uma limpeza étnica sem precedentes, perante o silêncio cumplice dos EUA e da UE, que se limitam a pedir o cessar-fogo e a condenar a morte de civis, principalmente crianças, que morrem diariamente, independentemente do local onde possam estar abrigadas. Encurralados entre o sadismo das tropas sionistas israelitas e o fundamentalismo islâmico do Hamas, os habitantes de Gaza são hoje as principais vítimas, heróis e símbolos maiores de um Mundo onde, apesar de aparentes progressos, continuam a ser espezinhados os valores mais importantes da humanidade e onde nada de relevante parece ter mudado. Tudo como dantes, afinal...

A ler

Um texto a não perder. O autor é Fernando Mora Ramos e o título "O sistémico que convém e a ética dos banqueiros".

quarta-feira, julho 23, 2014

A Silly Season chegou a Timor...

Há dias para esquecer. Hoje é um deles. Já não bastavam as notícias chegadas da Faixa de Gaza, onde todos os dias são mortos inocentes em nome de uma qualquer religião; da Ucrânia, onde os corpos calcinados de um avião abatido, foram hoje transportados para a Holanda; ou das notícias do BES, que dão conta da emissão de títulos do Banco, com vista a nacionalizar uma falência de privados, quando nos chegam as imagens deploráveis de Dili, onde a cimeira da CPLP aceitou (sem votação!) a adesão da República da Guiné Equatorial, como membro de pleno direito da organização.
Logo a Guiné Equatorial, um país onde não se fala português, onde o espanhol é a principal língua, onde os mais elementares direitos humanos não são respeitados (existe a pena de morte!) e o seu presidente é o ditador há mais tempo no poder em todo o Mundo.
Duas coisas se percebem nesta adesão: nem ela se pauta por quaisquer princípios linguísticos ou humanos de qualquer ordem; nem Portugal (teoricamente o único país que pôs algumas reservas a esta decisão) conta para alguma coisa no plano internacional.
Dito de outra forma: foram privilegiados os interesses económicos (petróleo) em detrimento dos interesses linguísticos e democráticos e o governo português participou em mais uma fantochada, desta vez promovida pelo governo de Timor-Leste (onde estás Xanana Gusmão?) tornando-se cúmplice de mais esta página negra das relações internacionais, que nos devia envergonhar a todos.
Digna de um verdadeiro episódio de Monty Python, seria a entrevista feita por uma jornalista portuguesa, ao ditador Obiang, no final da cerimónia: "Presidente, está satisfeito com esta cimeira? Si, si, mucho satisfecho"...